Observe o conflito: um bom exercício para a compaixão

paz2

 

“Sede misericordiosos como meu pai no céu é misericordioso para com todos,
pois faz brilhar o sol sobre bons e maus e faz chover sobre justos e injustos”

 

O meu caminho como instrutor de constelação é despertar a sua capacidade de abrir o coração para os excluídos. Todos os excluídos. Isso é ser terapeuta de constelação familiar sistêmica. Todos têm o mesmo direito de pertencer. Entendo que a vida lhe provoca, e você foi ensinado a tomar partido: isso é certo. Isso é errado. Aquele presta, aquele não presta. Mas lembre-se: aquele que você julga não prestar, está dentro de você. Aquele que você julga errado, está dentro de você. Bem como os “certos e os que prestam”. Em seu sistema familiar existem corruptos, ladrões, desonestos, mentirosos, enganadores, manipuladores, traidores, e também existem santos, honestos, trabalhadores, fiéis, devotos… Todos eles pertencem, igualmente.

Mesmo entendendo que você têm o direito de ter suas convicções, estamos falando de Ordens do Amor, e não de caminhos políticos, sociais ou econômicos. Use tudo o que acontece como instrumento de terapia. Esse é o seu trabalho. Se algo lhe desperta raiva, indignação, olhe para isso: olhe para a raiva, olhe para a indignação. Já parou para se perguntar: por que algo me provoca raiva? Como me deixo dominar, perder meu equilíbrio? Veja bem: você não está sendo atacado. Sua segurança não está sendo efetivamente ameaçada. Então, significa que seu cérebro está disparando comandos inconscientes para você reagir a um ataque que não existe. Biologicamente, você não está sendo atacado. Isso quer dizer: “alguém” está comandando você. Em constelação, dizemos que você está a serviço da consciência do grupo, ou seja, você se perdeu de si mesmo, do seu espírito naturalmente pleno e amoroso.

O que será que Bert Hellinger falaria sobre isso? Bem, vamos lá: “ pela necessidade de pertencer, o indivíduo faz tudo o que o grupo exige dele. Em decorrência disso, quando obedece à sua consciência nesse grupo, ele não possui uma individualidade e seu eu no grupo, seja o que for, é, no fundo, a individualidade e o eu do grupo. Por essa razão, muitos se alienam rapidamente num grupo, perdendo o bom senso e o discernimento. Tais pessoas, com sua boa consciência, tornam-se muitas vezes sinistras e perigosas para as demais.

A preponderância do grupo sobre o indivíduo leva a convicções e ações coletivas que não resistem a uma ponderação sóbria, antes a impedem e proíbem. Aqui fica claro o tipo de realização que se requer do indivíduo para livrar-se das amarras e prescrições da consciência do grupo. Ele precisa superar o medo das sanções que lhe são ameaçadas e impostas pelos que se obstinam nas convicções e prescrições do grupo”. (Bert Hellinger – Conflito e Paz)

Aprender a trabalhar com constelação requer um esforço rumo à inclusão. Cada um de nós terá seus desafios: às vezes, discriminamos questões políticas. Às vezes, opções sexuais. Outras vezes, atitudes morais. Discriminamos a violência. Ou a passividade. Talvez, grandes tragédias. Existem aqueles que discriminam até o amor, o perdão, a paz… Que sigamos no nosso trabalho, então. Eu procuro aprender, a cada instante. Olhando para a luz, e deixando que a treva exista. É uma questão de opção… E opção requer firmeza: mental e de atitudes.

Então, queridos: firmeza no amor. Fiquem em paz.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: