Antes de reclamar de sua mulher…

picsart_1476488898868

Eu sei. Temos um ímpeto muito grande em querer corrigir os defeitos dela. E mostrar que somos superiores. Mas respire um instante. Não faça nada. Não sei se você vai entender o que vou falar. Mas vamos lá. Repare o quanto é incessante esta necessidade de mostrar-se melhor que ela. Você está reeditando as mágoas que possui da relação com a sua mãe. Época em que não podia reagir, afinal, ela era a mãe. Toda a mágoa, abandono, descaso, opressão, desvalidação. Você também está reeditando a relação ruim, mentirosa, descompensada, que seu pai teve com sua mãe. E seus avós. Bisavós. A guerra dos sexos eterna, que impede que o amor possa florescer, expandir e curar todas as feridas e dores, conduzindo um homem e uma mulher ao êxtase que a união sagrada deseja levar. A palavra de repressão, a censura, a desvalidação diária funciona como tortura e agressão, e fatalmente irá detonar com tudo o de bom que um dia você e ela viveram. Você já parou para pensar: ela não é mamãe, e nem você é uma criança ferida. Já passou… faz tempo.
Se você me perguntar: e ela? Como fica a constante necessidade dela me criticar? Eu digo: o mesmo vale para ela. Você não é o pai que a machucou. Esqueceu. Abandonou. Usou. Agrediu à mãe. Traiu. Serviu de capacho. Mas você não tem a menor necessidade de mostrar isso a ela. Na escola do relacionamento, cada um deve fazer a própria prova. Antes de abrir a boca para condená-la e machucá-la, pegue o lápis e borracha, e faça a sua lição. Olhe para a sua história familiar. Você entenderá o que estou falando. E irá, passo a passo, se libertando das dores e mágoas que sua mãe provocou. Verá, assim, que pouco a pouco, seu coração se abrirá ao verdadeiro amor, que só se mostra quando as feridas infantis podem repousar em paz, definitivamente, no cemitério do passado.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: