A arte de dar

velhas-maos

 

Estes dias, o amigo Ricardo me disse: nós damos aquilo que está sobrando. Esta frase não saiu da minha mente. Durante toda a minha vida, fui perseguido pela sensação de estar devedor, e por isso, sentia-me tentado a dar. Dar muito. Preciso dar para o mundo. Preciso ser bom. Esta sensação não vinha do meu eu mais profundo, mas sim de um eu pequeno, endividado, pobre, desequilibrado.
Demorei para entender: quando se tem dívidas, é preciso pagá-las. Sejam elas financeiras, morais, espirituais… Um homem devedor não tem o que dar. E comecei a pesquisar onde tenho dívidas. As financeiras, finalmente, paguei! Mas… e as morais? E as espirituais? Por exemplo, tenho uma sensação de ingratidão em relação aos meus avós, que me criaram. Principalmente à minha avó. Não soube receber os seus cuidados, e ainda fiquei magoado pelo seu jeito rude de educar. Ainda hoje não estou pacificado em relação ao meu pai. O julguei um pai fraco, irresponsável, ausente. E não consigo receber toda a abertura espiritual que ele me proporcionou, através das suas buscas e conhecimento. O contato com as entidades, com os orixás, com o zen budismo e a meditação, o sincretismo religioso, o ecumenismo, a busca incessante: tudo presente de papai. Algo que hoje faz parte de mim mesmo.
Mesmo assim, saí pelo mundo querendo dar. Primeiro, nas religiões que frequentei. Depois, no meu trabalho como terapeuta e professor. Um mendigo disfarçado de rei. Sentado neste teclado, às vésperas do Natal, época tão propícia a compartilhar as graças recebidas, vejo-me pequeno. Muito pequeno. Aquilo que eu mais gostaria de dar, que é minha gratidão aos meus pais e avós, não tenho. Deparo com a minha humanidade, mas não estou triste. Simplesmente, consciente da minha pequenez. Não sou um rei mago. Não tenho presentes para o menino Jesus. Posso simplesmente ajoelhar, e louvar a Sua grandeza.
Que você possa nascer em meu coração, menino Jesus. Que Seu amor e sacrifício redima meus pecados. Que minhas sombras sejam por ti amparadas. Que a gratidão possa um dia brilhar em meu coração. Que um dia eu possa dar aquilo que hoje, me falta!
Abençoado seja o Seu nascimento!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: