Liberdade, mesmo com vínculos

20170101_220703
Playa Bacocho – Puerto Escondido – México, onde vi, pela primeira vez, tartaruguinhas correndo ao mar – metáfora que uso sempre ao falar da vida que nos chama à entrega, ao desconhecido, à missão

 

A necessidade da liberdade me levou a buscar o trabalho autônomo. Autônomo e nômade. Meu consultório e sala de aula não têm endereço fixo. Sempre disse que me senti uma criança tolhida, e por isso a ânsia da liberdade… esta era a minha justificativa. Hoje não tenho certeza desta minha afirmação. Afinal, a criança tolhida também foi levada a diversas mudanças de casa. E é filha de pais nômades, que nunca se fixaram em casa nenhuma. Bisneto de imigrantes. A mudança está no meu sangue.

Mesmo assim, algo dentro de mim gosta da segurança. De se sentir em casa. Do ambiente familiar. De movimentos lentos. Será influência do meu signo câncer, ascendente em touro?

Não sei. Só sei que, após tantas viagens e tantas mudanças, começo a entender que a liberdade é muito mais um estado interno, que um estado externo. Posso me sentir um preso em constante movimentação, como se estivesse naqueles carros penitenciários. Ou posso me sentir um liberto, mesmo estando fixo, num lugar, num trabalho, numa relação. E também posso me sentir livre, quando em movimento. E me sentir preso, esmagado pelas estruturas sociais, trabalhistas, morais, espirituais, convencionais, ou num casamento.

Li recentemente, ao consultar a numerologia para o meu ano de 2017, que liberdade e amor andam de mãos dadas. Amor, na minha visão, só existe com respeito. Compromisso. Observação atenta do outro ser humano que está ao meu lado. Acredito que, por mais que consigamos fazer da nossa vida aquilo que desejamos, na essência, estamos todos ligados uns aos outros. Não há como existir liberdade total. Isso é uma grande ilusão. Quando estabelecemos ligações com outros seres humanos, se os ferimos, mesmo que inconscientemente, ficamos atados por fios invisíveis. Adeus liberdade! Porque aí a amarração está feita.

A única forma de nos libertarmos das pessoas é através do amor. O amor deixa livre. Como diz o mestre Prem Baba, deixa livre até para o outro não nos amar.

Como disse no começo do texto, vivo uma vida nômade. Mas cada vez que coloco o pé na estrada, e vou ao encontro das pessoas que esperam o meu trabalho, reconheço que um compromisso entre nós se estabelece. Quando crio uma conexão, não posso simplesmente dizer: agora, adeus! O amor consciente exige responsabilidade. Já falei isso também. Uma pessoa consciente estabelece vínculos, e somente o tempo dirá quando o vínculo deve se romper. Se é que é para se romper. Sabendo agir com esta consciência, mesmo ligados a milhares de pessoas, estaremos livres.

Bem… estas são as palavras que surgiram para mim, hoje. Este é o meu aprendizado de agora. Que compartilho com você… Aproveito para perguntar: como está a sua relação com a liberdade? Ou a sensação de aprisionamento? Você se sente livre?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: