Limpador de vidros chegando à Brasília!

constelacao BSB mai_2018

Queridos! Amanhã chego à Brasília para mais uma série de trabalhos: constelação em grupo, Projeto Incluir, Treinamento de Constelação e o encontro de homens – Diamante Bruto. Estes dias andei me perguntando: o que estou fazendo? Por que faço estes trabalhos? Senti que eu havia desconectado do sentido profundo da razão da minha existência neste planeta. Estava entrando no piloto automático… E isso é a morte da criatividade, do prazer, da alegria de viver… Mas peguei o “vírus” no começo, antes que ele infectasse o sistema…

Relembrei no que acredito, lá no fundo da alma: somos seres de luz. E tudo o que fazemos com o coração, é a manifestação do Amor maior, através das nossas mãos. Estamos aqui para auxiliar o próximo a também perceber que ele já é aquilo que espera ser no futuro. Mas esta visão está encoberta, através de dores, crenças e traumas antigos. Eu atuo neste lugar: limpo os vidros embaçados da visão interna, que insiste em lutar contra os outros e contra si mesmo. Meu trabalho visa levar luz aos conflitos. Bálsamo às dores. Cura às feridas. Motivação aos travados. Alerta aos rebeldes. Direção aos perdidos. Mas lembre-se: eu só limpo os vidros. O resto, quem faz é você! Com a ajuda do “homem” lá de cima!

Alex Possato

24 de maio: Constelação em Grupo, das 15 às 21 horas (aberto a todos)
25 de maio: Projeto Incluir, das 15 às 20 horas (aberto a todos)
26 e 27 de maio: Treinamento de Constelação Familiar Sistêmica (exclusivo aos alunos)
28 de maio: Diamante Bruto, das 18h30 às 22 horas (somente para homens)

Informações e inscrições:

florbrasil.newtonlakota@gmail.com (61) 99976-7740 VIVO / Whatsapp (com Newton/Talita)

Local: Auditório do Medical Center – 607 Norte (Entrada pela L-3 Norte/UNB)

 

 

Coração em greve

coracaoemgreve

Ei! Psiu! Queria falar com você! Aqui… olha pra cá… mais pra baixo… do lado esquerdo… fazendo tum-tum. Tum-tum. Ainda estou batendo, apesar de tudo. Você tem me esquecido, não é mesmo? Mas o pior não é isso: está me contaminando. Sim, você tem me dado muito veneno, e eu tive que me fechar, me proteger, pra evitar entrar em colapso.
Mas agora cansei, e resolvi protestar. Levantar minhas faixas na rua:

– pare de guardar seus sentimentos!
– fora repressão!
– assuma suas dores!
– queremos lágrimas sinceras!
– mágoa livre!
– mais amor, menos silêncio!
– abaixo as máscaras!

Sabe, cara: tô cansado de ver você entrar em relação, e sair de relação… e não se expressar. Se tá magoado, não fala. Quando fala, só briga, mas não tem a capacidade de dizer: você me machucou. E aí, depois que briga, se arrepende. E também não fala: sinto muito. Agora, fui eu quem te machucou. Eu ainda te amo. E aí se afastam, e você não diz: tô com saudade! Sinto a sua falta. Foi muito bom o que vivemos. Então, vê o outro com outra, e não comunica: ahhhh, que inveja! Como eu queria que fosse eu! Tomara que acabe logo… só pra ele sofrer mais um pouco. E logo em seguida, quer voltar atrás: nossa! Que maldade… como pude sentir coisa tão ruim assim. Que sejam felizes. Eu vou continuar aqui, sozinho na minha dor…
E você sabe, cara. Anos e anos assim. Sem expressar seus sentimentos pras pessoas que você ama, as que odeia, as que ignora, as que te ignoram… Sem expressar seus sentimentos nem pra você mesmo! Mas saiba você que cada palavra não dita cai como ácido sobre mim. E eu tenho que me fechar, me proteger. Preciso falar uma coisa: Eu fechado, impeço você de amar. De sentir alegria. Prazer. Êxtase. Plenitude. Confiança.
Todos os sentimentos passam por mim. Se você nega um, nega todos. Se não sabe demonstrar sua raiva, sua mágoa, seu perdão, sua amizade, sua alegria… você começa a dizer para mim que não sou tão útil… Você está me esquecendo, achando que minha única função é fazer tum-tum. Tum-tum. Tum-tum uma pinóia, cara! Não tô aqui pra ser bateria de escola de samba. Eu existo porque sou a razão principal da sua existência… sentir! Manifestar o que você sente. Viver em plenitude. Curtir a vida! Em todas as suas nuances. E você preso aí nesse cérebro. Só querendo saber. Resolver. Chegar a algum lugar. Entender. Ah, vá…
Tô pensando em entrar em greve. O que acha? Vou dar uma paradinha… No começo, é só um alerta. Uma pequena parada. Só um susto. Mas se você não olhar direito para seus sentimentos, a parada vai ser mais longa… Um dia. Ou uns três dias… E não vai adiantar entrar na justiça trabalhista, viu?
Quem sabe você resolva validar seus sentimentos. E expressá-los.
Eu só quero uma coisa: me deixa trabalhar. Mas do meu jeito! Na totalidade. Pare de usar tantas máscaras. Pare de fingir. Seja mais coração, cara! E menos cabeça…

Alex Possato