Quem ama, escuta

quem ama escuta

Ontem, encontrando minha esposa trabalhando, fui surpreendido por uma situação: ela comentando algo que acontecera na sua relação de trabalho com uma outra pessoa. Algo desagradável, que ela não soube lidar de uma forma muito assertiva. Pelo menos, esta era a minha opinião de homem. Afinal, um homem sempre quer assertividade. Respostas. Esclarecer as coisas. Somos verdadeiros solucionadores. E quando não é possível solucionar algo, ou não sabemos a resposta, viramos as costas, dizendo: esqueça isso!

Você já percebeu este fato? Como o homem, em geral, tem a necessidade de resolver, falar as verdades, finalizar assuntos? Somos focados sempre em direção a um objetivo. Lembro-me que lá nos idos dos anos 90, li um livro que achei fantástico, um best seller chamado Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus. Nesta época, eu vivia uma relação afetiva onde tinha enoooormeeeee dificuldade de me comunicar com a parceira. Me fazer entendido. E lógico, não a entendia também. E este livro esclarecia várias diferenças de comportamento entre homens e mulheres, mostrando claramente: somos quase que radicalmente opostos. Falamos de formas diferentes. Nos comportamos de jeitos diferentes e queremos coisas absolutamente diferentes. Aí, vamos morar sob o mesmo teto, dividimos a mesma cama, a mesma mesa, o mesmo banheiro, e o que acontece? Encrenca!

John Gray, autor deste livro clássico, diz: “Do mesmo modo que um homem se satisfaz solucionando os detalhes intrincados da resolução de um problema, uma mulher se satisfaz conversando sobre os detalhes dos seus problemas”.

Ok, sei de tudo isso desde os anos 90, não é? Mas o cara esperto aqui, que já leu tanto, já se trabalhou tanto e fez tantos cursos, e hoje é um terapeuta experiente, simplesmente entrou no seu “jeito homem de ser” e começou a dizer o que estava certo e errado no problema da esposa. Quais eram os padrões que se mostravam e apontando para o ponto emocional que não estava sendo visto naquela situação. Tinha razão? Quem sabe? Mas esse não é o ponto. Simplesmente eu não ouvi o que ela falara. E neste sentido que me refiro, ouvir quer dizer: criar sintonia com o sentimento do outro. Escutar além do que foi dito.

Escutar é ouvir com o coração

Gente, como é bom amar alguém! E amo minha esposa, sem dúvida! Por isso que tento, insistentemente, tirá-la das situações de sofrimento que percebo, quando me é falado sobre um problema. O cavaleiro prateado, montado em seu cavalo branco corre loucamente em busca de salvar a donzela, ameaçada por temíveis e cruéis monstros. Este é o arquétipo do homem que sempre deseja ajudar uma mulher (lógico, quando a ama!). Porém, este tipo de ajuda, na prática, levará invariavelmente à desvalia do outro e a problemas na relação. Porque a ajuda que a mulher precisa, em geral, é ser ouvida. Acolhida. Amparada. Às vezes, em silêncio.

Ao dizer que sei qual a solução, o que ela deveria fazer e qual foi o erro cometido, estou dizendo silenciosamente: você é burra! Incapaz! Incompetente! É por sua culpa que a situação deu errado! E isso vem de alguém que diz amar a mulher… Pois é, falhei…

“Quando falamos da escuta desinteressada do outro, sentimos que há um outro nível de audição que precisamos de aprender. Não há apenas uma escuta com os ouvidos, mas também um escutar com o coração, que mais não é que uma escuta profunda, onde todos os sentidos nos são úteis”, diz o escritor português José Tolentino Mendonça.

Logo que percebi meu engano, silenciei. Nossa, como é difícil não entrar neste papel de salvador da donzela. Papai da filhinha. Professor do aluno. Meu mestre de constelação familiar, Bert Hellinger, já vai dando porrada: “O apreço implica reconhecer que o outro tem o mesmo valor, embora seja diferente. Esse é o fundamento do apreço. O parceiro é diferente, mas é certo. Toda tentativa de converter o parceiro em algo que ele não é, torna-lo, por assim dizer, mais semelhante a si mesmo, está fadada ao fracasso e destrói o relacionamento”.

Da mesma forma que me comporto diante dos meus clientes de terapia ou meus alunos de constelação, entendo que o silêncio é o primeiro passo para a comunicação empática. Estou buscando aplicar esta técnica nas comunicações além do profissional, e vejo o quanto é efetiva: ouvir, e deixar passar. Não interpretar o que o outro fala e nem julgar. Respirar junto e buscar sentir no corpo o que aquela expressão está provocando. Olhar nos olhos e simplesmente compartilhar.

Foi incrível como, ao fazer isso, meu sentimento em relação ao problema que minha mulher disse mudou. Na verdade, o problema desapareceu. E eu entrei em conexão com ela. Com o sentimento dela, e senti talvez dores não expressas. A mulher é, em si mesma, um caldeirão alquímico de transformação de sentimentos. Passam pela mulher emoções de todos os naipes. Quando uma mulher fala de um problema, ela não está falando apenas de um problema. Ela está falando dela, mas também falando das pessoas envolvidas na situação. Das perdas que este problema pode provocar. Dos sentimentos envolvidos e talvez, negados. “As mulheres sabem coisas sobre as pessoas a seu redor – elas sentem o sofrimento de uma adolescente, os pensamentos do marido acerca de sua carreira, a alegria de um amigo ao atingir uma meta ou a infidelidade de seu parceiro em um nível intuitivo. A intuição não é somente um vago estado emocional, mas o resultado de sensações físicas reais que transportam significado a certas áreas do cérebro”, ensina a neuropsiquiatra Louann Brizendine, no livro Como as Mulheres Pensam.

Ao querer solucionar algo, estou desprezando esta alquimia que está ocorrendo com ela. O que a mulher pede, ao homem, quando conta um problema? Talvez ela diga: venha comigo! Ajude-me a processar em meu ventre estes sentimentos! Fique comigo, enquanto estou gestando esta energia conflituosa, buscando paz em mim e com os outros!

Tão diferentes, tão complementares

Viver bem ao lado da mulher que eu amo é um desafio! Pois, como falei, tenho que refrear meu impulso masculino de ser o solucionador e entrar num lugar de silêncio e escuta empática que são, em si, qualidades receptivas que vêm do feminino. Sair da mente racional e acionar o coração, em busca de uma relação afetiva de crescimento é um caminho que irá provocar as lembranças da relação afetiva que meus pais viveram. E também trará a tona a imagem interna que possuo tanto do meu pai, quanto da minha mãe. Afinal, reproduzimos aquilo que temos dentro de nós. Por isso que, nas minhas relações anteriores, não conseguia entender nem ser entendido. Vim de um lar de homens e mulheres que não se entendiam. Não falavam com clareza. Se reprimiam, se enganavam e se machucavam de várias formas.

Ao mesmo tempo, hoje vejo: que bom que podemos mudar isso! Que bom que podemos nos conhecer, através das nossas relações e conhecimento do passado! Descobrir os padrões de comportamento e padrões emocionais que nos habitam, e modifica-los. Entendendo que estas experiências são infinitas: descobrirmos que funcionamos de forma tão diferente – homem e mulher, e sempre será assim. E mesmo assim, posso confiar nela, e celebrar nossas diferenças, que nos complementam.  Eu atuando como homem. Mas abraçando dons femininos, que possuo. E ela atuando como mulher. Da forma como ela é. Do jeito que é…

Que cesse a necessidade de fazer dela algo que acho que ela deveria ser. Que eu me dedique a ser o melhor que posso, agora… Este é o meu mantra de hoje.

Alex Possato

 

Vivência “O dito e o não dito” – o olhar sistêmico para a comunicação afetiva – com Alex Possato e Lu Cerqueira – clique aqui e saiba mais

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: