Mudanças sistêmicas ocorrendo no Brasil

crescer doi2

Conversando com uma amiga, que estudou constelação familiar sistêmica, estávamos falando sobre o atual momento político do país. Escrevi assim:

“Também compartilho com este sentimento de indignação quando olho somente para o meu posicionamento político e social. Mas olhando pelo lado sistêmico, acho que este é um movimento extremamente importante. Finalmente podemos olhar para o lado do brasileiro que fingíamos não ter… Somos também uma nação violenta, discriminatória, pouco informada, com pouca capacidade de discussão… apegados a salvadores de esquerda ou direita… Onde cada um age somente pelos próprios interesses, e para isso, destrói tudo o que foi construído no passado. Enfim, é o processo da purificação, crescimento. E crescer dói. Não vejo este momento como ruim. Ao contrário, vejo como muito positivo. Acreditar que qualquer presidente ou político, em 4, 8, 12 ou 16 anos de governo provocará mudanças sistêmicas no país é muita inocência. As mudanças já estão ocorrendo, independente de quem está no poder. É uma mudança gradual, constante… E é importante olhar a longo prazo… Para poder vê-la…”

Alex Possato

 

Constelação Familiar em São Paulo, com Alex Possato

Paper cut of Family

Olá, pessoal!

A constelação familiar em grupo é para mim uma ocasião onde posso passar um pouco deste conhecimento precioso de Bert Hellinger, auxiliando efetivamente no seu desenvolvimento pessoal e até profissional, ao entrar em contato com as Ordens do Amor e entender os padrões herdados que interferem na sua vida.

Além disso, é um mergulho no “campo sistêmico”, um ambiente de ressonância e sincronicidade onde emoções profundas são compartilhadas, e a partir disso, os participantes – de acordo com a própria vontade e mérito – têm a oportunidade de libertarem-se de medos, dores, traumas, conflitos, tristezas. Acessam assim a alegria de viver, a energia de reconciliação, aprendem a colocar limites e também a não invadir. Enfim, um trabalho muito especial!

Espero ver você! Até breve!

Alex Possato

18 de outubro de 2018 (quinta-feira)
Constelação Familiar em grupo ( 5 vagas ) – das 15 às 21h
Valor sugerido para constelar: R$ 500,00
Valor sugerido para participar: R$ 50,00
Informações: atendimento@alexpossato.com ou (11) 99791-7211 (whatsapp)
Inscrições: https://goo.gl/forms/CsqjJWWloUwjpdQx2
Rua Maestro Cardim, 1170 – Paraíso (próximo a estação de metrô Paraíso e Vergueiro)

Meu amado comunista

orlando possato

Vovô me carregou no colo. Ensinou-me, pelo exemplo, a trabalhar muito. A ser imensamente criativo e presente. Um senso de humor afiado; ótimo contador de história. Pouco soube da sua atuação partidária, afinal, nos anos de chumbo, as reuniões eram feitas às escuras, em locais desconhecidos. Lembro-me do vovô saindo à noite, como se fosse fazer algo muito importante, sigiloso e perigoso… e com alegria e alívio, ouvia seus passos se aproximando da porta de entrada de casa. Eu, nesta hora, já deitado por obrigação do horário, agradecia por poder sentir a segurança daquele velho idealista de volta ao lar.

Talvez o mais importante que vovô me ensinou foi servir. De vez em quando, ele pegava sua maletinha de técnico em eletrônica, avançava peito aberto e confiante pelo meio das favelas com seus esgotos a céu aberto de Suzano, periferia de São Paulo, e consertava rádios e TVs por preços irrisórios. Vovó muitas vezes reclamava: só isso, Orlando? E ele dava de ombros, dizendo: ele não podia pagar mais…

Vovô me mostrou um lado do Brasil que muitos de nós não conhecemos. O lado da miséria. O lado daqueles que não podem trocar de tênis todo ano. Não podem, muitas vezes, pagar a condução para se deslocar. Não têm panelas e nem entendimento pra ficarem batendo contra este ou aquele – embora motivos não faltasse.  Eu, calças curtas e sandália no pé, pulando córregos fétidos, ia com ele às suas investidas solitárias, em busca de levar uma gota de serviço àqueles que tão pouco tinham. Menos até do que nós, que não tínhamos grande coisa. Do seu jeito, lavava os pés dos pobres e humildes. Justo ele, sem religião e crítico às igrejas!

Não, não me tornei comunista. Até gosto bastante de ganhar meu dinheiro. E acredito que esmola demais é desmoralizante e enfraquece. Tive inclusive que abandonar diversas crenças da infância, para conseguir começar a ganhar dim-dim e sair da faixa do endividado eterno. Porém, jamais esquecerei o exemplo do velho comunista. E honro do fundo do meu coração, cada alma parecida com meu vovô, que anda pra cima e pra baixo neste país tão desigual, buscando trazer um pouco mais de dignidade à imensa massa de excluídos que habitam nossa pátria. E honro igualmente aqueles que trabalham duro, honestamente, crescem e enriquecem, e podem através do próprio crescimento, auxiliar no crescimento de outros. No meu coração, cabe comunista e cabe capitalista. Só não cabe o desrespeito e a falta de compaixão. Quisera um dia entendamos que ideologias, sem amor e compromisso real ao próximo, de nada servem. E amor, compromisso e ação, não depende de ideologias: basta pegar a maletinha, calçar os sapatos, arregaçar as mangas e… fazer a sua parte!

Saudades, vovô Orlando Possato!