Amor só vive em liberdade

Umas das coisas que mais me incomoda é quando vejo as pessoas manipulando outras. Família usando de mil artifícios para manterem seus membros presos a si. Empreendedores amarrando fornecedores, funcionários, sócios, clientes… Prestadores de serviço que dão um jeito de não deixar o cliente partir. Inúmeras empresas, que hoje está avançando até no mundo da terapia, desenvolvendo o que chamamos de marketing de rede, onde as pessoas são instigadas a trabalhar e atrair outras pessoas para aquele determinado caminho, com táticas sedutoras…
A raiz de tudo isso, ao meu ver, é o medo. Como muitas pessoas têm medo e não confiam no movimento natural do universo, precisam “amarrar” seus clientes, seus membros, as pessoas que compartilham da mesma ideia. E as pessoas “amarradas”, igualmente com medo e carentes, vêem no esquema uma forma de se sentir protegidas.
Talvez tenhamos ouvido a frase: amor só vive em liberdade. É o que creio. O Amor maduro, seja numa relação afetiva, familiar, profissional, espiritual, política, esportiva, etc., é pautado na liberdade de estar, ou não estar. Participar, ou ir embora. Ajudar, enquanto tiver sentido.
Lógico que a liberdade dá medo! É angustiante, às vezes. Mas a liberdade não cria “amarrações”. Não deixa arestas para serem aparadas. Seremos verdadeiramente livres quando cumprimos com todas as obrigações assumidas, os compromissos, e depois, podemos partir. Ou podemos ficar, e criar “novos contratos”, onde as partes estabelecerão novos compromissos, direitos e deveres. Com o máximo de flexibilidade possível.
Estaremos exercitando a sutil arte de ser necessário até um ponto, e depois nos percebermos desnecessários, e assim, podemos seguir. E deixar os outros livres. Quanta confiança em Algo Maior, ou Deus, esse movimento livre e espontâneo despertará em quem participa dele!

Alex Possato

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: