Costumo dizer que a constelação familiar sistêmica não pode ser “aprendida”. A constelação sistêmica escolhe seus facilitadores, e em primeiro lugar exige que nos coloquemos adequadamente no “nosso lugar”, dentro do próprio sistema familiar. Filho em relação aos nossos pais. Descendente em relação aos nossos antepassados. Irmão dos irmãos. Companheiro da esposa ou marido. Pai ou mãe dos próprios filhos. Lógico que é um grande desafio, afinal, quem de nós não tem as suas mágoas, suas dores, suas cobranças, seu sofrimento? Mas conforme vamos andando neste caminho de inclusão e amor incondicional, percebemos que o trabalho vai fluindo em toda a sua grandiosidade, através de nós. Nos surpreendemos com as transformações profundas pelas quais passam os clientes, e a cada trabalho, também sentimos que estamos nos trabalhando mais um pouquinho, pois a constelação familiar sistêmica demonstra com exatidão que não há separação entre nós: somos todos um.


Histórico do facilitador

Na prática, entrei em contato com a constelação sistêmica em 2008, primeiramente como cliente da alemã Mimansa Erika Farn, a pioneira da constelação familiar no Brasil, e depois através do trabalho da também alemã Theresia Maria Spyra, minha ex-companheira, facilitadora de constelação formada pela Mimansa e com quem compartilhei centenas de horas de vivências em grupos, além de servir como assistente em cinco cursos de formação para facilitadores de constelação familiar sistêmica.

Em 2012, iniciei a minha primeira turma de formação, em São Paulo, e em 2014 abri a primeira turma de formação em Brasília. Desde então, o trabalho só tem crescido e se multiplicado, para minha alegria! Muita gente atendida! Muitos facilitadores formados,dos quais, algumas dezenas já estão atuando com muita competência!

4 Replies to “Alex Possato: terapeuta e professor de constelação familiar sistêmica”

    1. Olá, Carla! Na minha visão, constelação familiar sistêmica é um chamado. Que nos chama, em primeiro lugar, como clientes. Devemos, ao meu ver, fazer constelações para nós e participar de muitas horas de constelações em grupo. Após isso, fazer alguns treinamentos de formação em constelação. Talvez nos tornemos terapeutas, desta forma. Já professor, é algo além disso. É uma responsabilidade não só transmitir o conhecimento, mas sustentar a energia dos alunos formados. Estar disponível. Fornecer o ambiente adequado ao desenvolvimento deles. Este é um compromisso profundo. Exigente. Que vai além da técnica e conhecimento didático, embora isso também seja importante…

    1. Olá, Silvia!!! Fico imensamente grato pelo convite. Estou com a agenda cheia, e somente em meados do próximo semestre poderei olhar melhor a agenda dos próximos cursos, ok?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: