Em 2019, seja você!

Cópia de 26dez2018

Lentamente, as areias de 2018 vão escoando entre os dedos da minha mão. Enquanto seguro este punhado de grãos finos, deslizando de volta ao solo de onde vieram, observo tantas coisas que se passaram na minha vida. Aquela amizade que acabou. Uma parceria que se desfez. Uma alegria vivida. Um nascimento auspicioso. Uma morte traumática. Um filho indo. Outro voltando. Dinheiro ganho e dinheiro gasto. Tudo se escoando no ritmo da vida, inexorável. Nada ficará. Os fatos que fizeram deste ano o que ele foi, já passaram. Presidente eleito, políticos presos, denúncias mil, pessoas livres e outras condenadas… Justos e injustos dividindo as mesmas celas. Saudáveis e doentes compartilhando banquetes nababescos. Na minha vida, na vida de todos, as areias continuam escoando, voltando à terra, a mãe de onde tudo foi gerado.

O que adianta eu tentar reter a areia entre meus dedos? Por que não aceitar as perdas mais dolorosas? Minhas derrotas mais vergonhosas? Para que esconder minhas decepções? E ao mesmo tempo, o que adianta tentar conservar minhas conquistas e sucessos grandiosos? Já se foram… Tudo já passou. Nada fica, nada ficará…

Novas areias querem abastecer minhas mãos. 2019 está chegando. Aquilo que sou, continuo sendo. Um ser transitório, hora acertando, hora errando. Com medos, sensibilidade, coragem, erros, fúria e paz… Um ser que abusa e acolhe. Rouba e perdoa. Que às vezes se trata como um mendigo e tantos momentos presenteia-se como rei. Para depois deixar tudo nas mãos daquele mendigo novamente.

O próximo ano será totalmente diferente deste. E ao seu final, as areias também se escoarão completamente, voltando para a grande mãe terra. Vivenciaremos muitas experiências. Adoraremos algumas. Abominaremos outras. Teremos vontade de sair correndo de tantas situações. Para, em outras, aprisionar com mil cadeados e nunca deixarem ir embora, trancafiando com mais furor que um sequestrador psicopata manipulando suas vítimas indefesas. Acertaremos e erraremos. Seremos felizes e tristes. Enfrentaremos justiça e os mais deslavados enganos. Em tantos momentos diremos: tudo mudou! Para, na semana seguinte, falar: nada mudou! Que saudade do passado que não volta mais…

E então, ao final do ano, diremos: ufa! Que venha 2020!

O que somos, se não meros viajantes nesta espaçonave acolhedora chamada planeta Terra? Seres cheios de vida e sensibilidade, capazes de sentir todas as nuances de dores e alegrias, sensações únicas e exclusivas da nossa raça abençoada: a raça humana? Até quando iremos combater aquilo que somos, e por não aceitar quem somos, combatemos também aqueles que demonstram os nossos lados menos aceitáveis?

A areia continuará escorrendo, as experiências chegarão e passarão… Todas elas convidando-nos: vivencie! Vivencie em plenitude! Delicie-se! Ou rejeite tudo – mas rejeite com vontade! Para depois pedir desculpas e acolher aos beijos mais amorosos e calorosos… Seja aquilo que você é, por mais feio ou bonito que seus tolos julgamentos possam condenar… A beleza de 2019 será igual, melhor ou pior que a de 2018, 2000, 1000, 4000 a.C., tanto quanto a sua capacidade de vivenciar a vida em plenitude. No fundo, nada muda, a não ser a forma como você se olha. E a forma como você vê a vida passar. Porque ela passa. E um dia, as últimas areias irão escoar por entre seus dedos, e assim como elas, você também retornará à grande mãe. De volta à origem de tudo.

Olhe-se com inteireza. Total inteireza! Seja quem você é, e dane-se o resto. O universo responderá a você na mesma medida em que você acolher-se, com todas as virtudes e todos os defeitos que você manifesta. E que venham muitas areias pela frente!  Feliz aqui e agora!