A raiva saudável

tunel

“Só uma raiva, no entanto, é bendita: a dos que precisam.”
Clarice Lispector

Faz muitos anos que falo para as pessoas que atendo: a raiva faz parte. Olhe para a sua raiva. Não negue. Não a esconda. Ela pode ser sua amiga. Principalmente, falo para as pessoas que estão paradas na vida. Que não tem força para tocar seus projetos. Fazer as mudanças necessárias. Tomar decisões. É muito comum que estejam inibindo a raiva, com dificuldade de lidar com esta energia. Por que acontece isso?

Vou explicar, de um jeito que gosto: falando um pouco da minha experiência, que de alguma forma, pode ser a sua também. Vivi numa família raivosa. Eu era o menor de todos. Meu irmão, sempre cheio de conflitos e violência, volta e meia me agredia. Minha avó tinha acessos de fúria, entrecortados por abismos de depressão. Meu avô era gente boa dentro de casa, mas capaz de agredir alguém na rua simplesmente porque olhou atravessado. Meu pai era um cara baixinho, colecionador de armas de fogo, espadas e facas, cujo temperamento era sujeito a chuvas e trovoadas. Minha mãe era uma pessoa impulsiva também. E imprevisível. E eu, a pequena criança, a menor de todas, assustado com tanta energia em minha volta. Não havia como confrontar, sem apanhar. Bem que tentei. E apanhei. E então, comecei a desenvolver outras estratégias: a lábia. A chantagem. O vitimismo. A sedução. O bom humor. A racionalização. Ganhava minhas lutas sem lutar.

Quando criança, criamos várias defesas e estratégias. Tudo para não sermos mais feridos e podermos obter nossas vantagens. O problema dessas estratégias, é que as levamos para a vida adulta. Um homem com a minha idade, que parte para a vida pensando que poderá apanhar, que qualquer coisa que fale – ou não! – irá detonar uma explosão, ou que as pessoas são instáveis e assustadoras, terá muita dificuldade de alcançar metas. De lutar pelos próprios direitos. De batalhar por um espaço na sua carreira. De ousar competir e conquistar.

Quando observo bem a mim mesmo, vejo que parte de mim acredita que perdeu o direito de reivindicar. De ter a própria opinião e sustenta-la. De achar que algo está desconfortável e que posso querer mudar. Esta parte de mim, no fundo, só quer sombra e água fresca. Um ambiente onde não haja conflito, para me livrar dos ecos do passado. Essa parte só quer paz. E por isso, se recusa à guerra.

Sem a guerra, não há paz

Meu grande mestre Bert Hellinger diz, em A Paz Começa na Alma: “ A guerra é o pai de todas as coisas. Isso quer dizer: a guerra é também o pai da paz. Sem a guerra, não há paz. Quais são os efeitos disso na alma? Freud, o fundador da psicoterapia moderna, observou que o indivíduo só pode crescer se integrar algo que ele excluiu de sua alma. Rejeitamos muito de nós mesmos, apesar de sentirmos que faz parte de nós”.

Traduzindo para a minha vida, não aprendi a guerrear. Não aprendi a defender meus pontos de vista. Não aprendi a usar a minha raiva (que era muita!) para abrir meus caminhos. Assim, tive que me aproximar de pessoas que sabiam lidar com a raiva – geralmente de jeitos não adequados – para que elas fizessem por mim aquilo que eu tinha medo de fazer sozinho. Amigos fortes. Grupos que me defendiam. Mulheres fortes e lutadoras. Gente que abria as portas na minha vida aos pontapés, enquanto eu ia atrás. Como criancinha. Um verdadeiro bunda mole! E ok! Para quem vem de uma história onde não sabia se defender de inúmeras agressões externas. Mas um adulto?!? Onde não havia mais irmão, pai, mãe, avós, família em conflito vivendo comigo…. isso não fazia mais sentido!

A raiva saudável pode ser uma expressão do amor

“Na medida exata em que uma pessoa é capaz de sentir e expressar amor verdadeiro, ela também é capaz de manifestar raiva saudável e construtiva. Tanto o amor real como a raiva vêm do eu interior. Absolutamente todo sentimento real é saudável e construtivo e propicia o desenvolvimento do eu e dos outros. Os sentimentos reais não podem ser forçados, comandados nem impostos. Eles são uma expressão espontânea, que ocorre como resultado natural e orgânico de nós mesmos”, diz Eva Pierrakos, em Criando União.

Demorei para entender isso. O motivo principal é que estava magoado com a minha família. Que sempre manifestou muita raiva. Que me feriu. Logo, como poderia eu usar as mesmas armas “deles”? E disse para mim mesmo: vou fazer diferente. Vou mostrar pra “eles” como é que faz! Vou ser diplomático. Pacífico. Conciliador… Besteira…

Sempre defendi minhas convicções “pacíficas” com a faca nos dentes. Sempre tive (e ainda tenho) muita raiva das pessoas que contrariam meus princípios, minhas opiniões. A única diferença é que hoje sou consciente de que não saber usar esta energia da raiva tem a ver com o não concordar com o meu passado. No fundo, sou absolutamente igual ao meu pai, minha mãe, meu irmão, meus avós. E eles também não souberam usar a raiva de forma apropriada, para alcançar os próprios objetivos, para galgar os degraus que achavam adequados. Se perderam numa guerra entre si… e o cavalo do sucesso passou arreado… eles não montaram…

Deixando o passado, para estar presente na própria vida

Quando estamos perdidos no uso da raiva de forma distorcida, quando machucamos os outros e a nós mesmos, ou inibimos esta energia, causando úlceras e paralisia na vida, estamos identificados com situações do passado familiar – a maior parte inconsciente – onde houveram feridas que não foram vistas. Tanto a nossa infância, quando as diversas gerações que nos antecederam, estão recheadas destas histórias: pessoas feridas pela agressividade de um e de outro… pessoas que agrediram, mataram, coagiram, violentaram… Eles são todos nossos antepassados. Vítimas e algozes. E tudo isso é passado. Deveria ser, ao menos. Porque, bem ou mal, eles foram os bravos pioneiros que avançaram ano a ano, década a década, vida a vida, ganhando e perdendo, nascendo e morrendo, procriando e matando, para que nós estivéssemos aqui. Nós somos o bom resultado de todo este esforço: os frutos que deram certo!

Honrar a este passado significa andar. Ir para frente. Carregar esta força de combate, resiliência, inteligência, estratégia, amor e dor, tudo isso dentro de nós… e fazer a nossa parte. Montar no cavalo do sucesso que passar arreado à nossa frente. Para isso também necessitaremos bravura. Coragem. Usar um pouco desta raiva, que nos torna desconfortáveis diante de situações desagradáveis, como motivação para avançar. “Lute apenas por lutar sem pensar em perda ou ganho, em alegria ou tristeza, em vitória ou em derrota, pois, agindo desse modo, você nunca pecará”, aconselha Krishna ao atemorizado guerreiro Arjuna, no livro sagrado indiano, Bhagavad-Gita.

E quando dizemos lutar, muitos pensarão em levantar bandeiras e comprar causas sociais, políticas ou espirituais. No meu entender, não é necessariamente isso. A luta é contra os próprios fantasmas internos. Os medos. Os vícios. As estratégias que nos impedem de sermos amorosos conosco e com o outro, e complicam a transmissão dos nossos dons e talentos para o universo, em retribuição e gratidão a tudo o que recebemos da vida.

Sem um pouco de raiva concentrada e bem direcionada – para frente! -, não tiramos a bunda da cadeira para nos mover nesta tarefa tão importante, e tão difícil: manifestar o melhor daquilo que somos, ainda nesta vida. Aqui e agora.

 

 

 

De mãos dadas à própria mediocridade

mediocre

 

Uma pessoa muito íntima passou o almoço falando da sua tentativa infrutífera de cumprir as expectativas que ela mesma, real ou imaginariamente, teceu sobre seu comportamento. Comer algo adequadamente saudável – e ela não queria. Ter um tipo de padrão de pensamento – que ela não tinha. Gostar de determinados ambientes e pessoas – e ela queria se isolar. Chegar a entendimentos que não conseguia.

Se eu não conhecesse a pessoa, e estivesse predisposto a ouvir suas neuroses, o almoço seria muito chato. Mas não foi. Ao contrário, foi muito instrutivo. Pois ela mostrou para mim o padrão de funcionamento da mente crítica, julgadora, condenadora, rebelde. Que é também o padrão de funcionamento da minha mente.

A mente é um instrumento fenomenal, principalmente quando entendemos que o papel dela é estabelecer comparações, para poder discernir, tomar decisões. O que torna nosso convívio com a própria mente insuportável, é que acreditamos que aquilo que pensamos determina o que somos. E como fomos ensinados desde pequenos que não somos grande coisa, que estamos sempre errados, precisamos saber mais, nos comportar melhor, ter melhores pensamentos… passamos a vida nos julgando e condenando.

Como terapeuta, lido com pessoas com dificuldades de ter projetos. De mudar a própria vida. De aceitar a si mesmo. De saber tecer melhores relações. De lidar de forma saudável com o próprio corpo. Pessoas que, de certa maneira, sabem que estão tomando atitudes que lhe fazem mal. E uma das primeiras coisas que faço, ao ouvi-las, é incluir em mim aquilo que elas não conseguem incluir em si. Imagino o que daquilo que estou ouvindo também faz parte do meu comportamento, e internamente digo: você faz parte! Eu te vejo!

Incluo, por exemplo, o corpo obeso. A mente alucinada. A sensação de feiura. A sensação de fraude interna. A vítima. O provocador de conflitos. O postergador. O derrotado. O compulsivo. Sinto quem ou o que está sendo excluído, e imagino dar um lugar para esta sensação dentro do meu coração. Nem sempre é fácil, mas a prática é tudo. E muito rapidamente, me percebo em paz com a pessoa à minha frente, e mais: em paz com minhas sombras interiores! O outro, no final, serviu terapeuticamente para o meu autoconhecimento!

Gosto da palavra medíocre, porque ela não tem significado pejorativo, na etimologia. A origem em latim quer dizer simplesmente: mediano. Todos somos medíocres, em diversos aspectos. Muitas coisas não sabemos fazer bem, mas outras sabemos fazer muito bem. No final das contas, nota média: passou de ano! Quando conseguirmos observar em paz nossa mediocridade, sabendo que todos são assim também, e pararmos de achar que “somos aquilo que pensamos”, pois afinal, quando nascemos já “éramos”, e não sabíamos pensar… o conflito interno acalma. Somente então conseguiremos ouvir o que há além dos pensamentos. Um espaço de silêncio, harmonia e paz inerente a quem você é. Eu sou. Estaremos mais próximos da própria essência: perfeita. Imutável. Eterna. Amorosa. É o longo caminho que me propus a seguir. Às vezes com mais sucesso. Às vezes, com menos. Mas seguindo. Sempre… O que importa o que os outros vão achar? O que importa em qual estágio da jornada estou? O que importa o que penso de mim mesmo?

A boa agressividade

agressividade

 

A raiz da palavra agressividade é a mesma da palavra grau, em latim. No sentido mais puro, agredir quer dizer ir em direção a, seguir rumo a um nível ou grau diferente… Durante muito tempo carreguei a crença de que a agressividade era uma atitude não conveniente e espiritualmente desabonadora.

Talvez porque tive uma infância cercada por agressões físicas, mas principalmente morais, dentro de uma família neurótica… e incapaz de reagir – quando reagia, era punido – aprendi a lidar muito mal com o meu impulso agressivo. Desenvolvi o medo de agredir e o medo de ser agredido. Comecei a andar com o freio de mão puxado. Parte da minha energia me puxava para frente, e parte dela mantinha-me preso no lugar onde estava.

O que me foi muito prejudicial no momento em que tive que partir para a vida. Agredir era errado. Então, como conquistar minha estabilidade financeira? Como avançar nos meus objetivos? Como conquistar o lugar ao sol que eu tanto queria?

Porém, como vemos na origem da palavra, agressividade não é algo ruim. É um movimento natural, que pode ser usado inclusive em situações onde não temos nenhum tipo de raiva. Para mudar o grau, é necessário um impulso agressivo. Para deixar uma vida de sofrimento, seja este sofrimento financeiro, afetivo ou outro qualquer, é importante validar o próprio impulso agressivo.

O bom agressivo não ataca ninguém. Não está lutando contra nada. Simplesmente está fazendo um movimento rumo a um outro nível na própria vida. Exige esforço  e competitividade, mas isso pode ser desempenhado com leveza, humor e alegria. Se precisar defender o próprio território, o bom agressivo está no seu lugar, em posse dos seus direitos, e como um samurai, preserva o lugar conquistado sem perder a calma. A agressividade assentada interiormente é um estado de espírito, e não necessariamente uma atitude externa.

Ser guerreiro é algo nobre. Acredito que as guerras interiores são muito mais importantes que as guerras exteriores – para aquele que está buscando o autoconhecimento e crê na possibilidade de uma vida feliz e saudável. Olhar para si, conhecer seus impulsos, sua raiva, sua covardia, sua compaixão, sua inflexibilidade, as diversas variáveis emocionais que habitam o seu “eu mais profundo”  é condição fundamental para um andar confiante, produtivo, realizado.

No meu dicionário de conduta, agressividade faz parte!

(dedico este texto a tantas pessoas que, assim como eu, um dia acreditaram que ser agressivo era algo que depunha contra a própria evolução espiritual neste planeta – e por isso, teve muita dificuldade em manter os esforços necessários para alcançar seus objetivos legítimos nesta vida: prosperidade, sucesso, saúde, amizades, boas relações afetivas, paz de espírito.)